O crescimento do Islã e a necessidade de estudar a escatologia islâmica

religic3a3o-islamica

O Islã é a religião que mais cresce no mundo, crescendo quatro vezes mais rápido que o Cristianismo.1 Hoje em dia, os que praticam o Islã chegam a aproximadamente um quinto da população mundial. Um experiente professor bíblico da Inglaterra, depois de rever as estatísticas, recentemente comentou: “Se as tendências atuais continuarem, metade de todos os nascimentos no mundo serão em famílias muçulmanas até o ano 2055”.2

O Islã é a religião que cresce mais rápido no mundo, principalmente nos Estados Unidos, Canadá e Europa.3 A taxa de crescimento anual do Islã nos EUA é de aproximadamente 4%, mas existem fortes razões para acreditar que pode ter chegado a um pico de 8% nos últimos anos. Todo ano, dezenas de milhares de americanos se convertem ao Islã. Antes de 2001, a maioria dos relatórios tinha o número de mais ou menos 25.000 conversões de americanos por ano.4 Isso pode não parecer muito, mas esse número anual, de acordo com alguns clérigos muçulmanos, quadruplicou desde o 11 de Setembro.5

Infelizmente, 80% desses americanos convertidos ao Islã foram criados em uma Igreja Cristã.6 Se os altos números de conversões estão precisos, significaria que mais ou menos 60.000 americanos que foram criados em lares cristãos estão se convertendo ao Islã anualmente.

Todavia, é preciso ressaltar que muçulmanos também estão se convertendo ao Cristianismo pelo mundo todo. Um Xeique muçulmano declarou recentemente que apenas na África mais de seis milhões de muçulmanos se convertem ao Cristianismo anualmente. Isso significa mais ou menos 667 por hora, ou 16.000 por dia. De janeiro de 2003 até o meio de 2004, o ministério do Evangelista Alemão Reinhard Bonnke viu mais de dez milhões de africanos se decidirem por seguir Jesus. Um grande percentual desses era muçulmano. De fato, muçulmanos pelo mundo todo estão tomando a decisão de se tornarem seguidores de Jesus.7 Muitas dessas decisões são feitas seguindo um sonho espiritual ou visão.8 Existem muitos testemunhos poderosos e maravilhosos da bondade de Deus na vida dos muçulmanos conhecendo Jesus.

Agora, deve ser dito que muito do crescimento rápido do Islã é simplesmente pelas altas taxas de natalidade entre os muçulmanos. Muçulmanos estão tendo muito mais filhos que cristãos. O crescimento do Islã não tem na conversão a sua fonte primária. Mas, independentemente dos motivos do crescimento, inegavelmente cresce e se espalha mais rápido que o Cristianismo.

Uma previsão razoável é que chegará o tempo em que o Islã ultrapassará o Cristianismo como a maior religião do mundo, ou mesmo quando começar a se aproximar disso, haverá um ponto de inflexão onde a taxa de crescimento aumentará exponencialmente. De fato, um dos aspectos principais dos Últimos Dias é o que a Bíblia chama de “grande apostasia”, que será uma significante queda da fé cristã.

O Corão menciona cinco coisas que um muçulmano precisa crer para ser um muçulmano:

“Não é a justiça que vos vira as faces para o Leste e Oeste; mas justo é aquele que crê em Alá e no Último Dia e nos anjos e na Escritura e nos profetas…” – Surata 2:177 (Pickthall)

Note a ordem dos cinco dogmas da crença:

  1. Creia em Alá.
  2. Creia no Último Dia.
  3. Creia nos anjos.
  4. Creia na Escritura.
  5. Creia nos profetas.

A crença no Fim dos Tempos tem um papel proeminente no Novo Testamento e na vida da Igreja Primitiva, mas infelizmente hoje a crença nos Últimos Dias se tornou essencialmente opcional ou geralmente ignorada pela maioria. Mas não é assim no Islã: não há um muçulmano de verdade que não creia no Último Dia e nos eventos que o precederão. Portanto, é crucial entender a perspectiva Islâmica em relação aos Últimos Dias se nós queremos entender as antecipações centrais religiosas de 1,3 bilhões de muçulmanos pelo mundo.

A maioria dos estudos Islâmicos sobre escatologia é dividido em duas categorias: os Pequenos Sinais e os Grandes Sinais. Os Pequenos Sinais são, às vezes, equivalentes ao que Jesus disse sobre as “dores de parto” (Mateus 24), isto é, aqueles sinais que precedem os Grandes Sinais. Alguns dos Pequenos Sinais são bem interessantes, mas para o propósito deste estudo nós não vamos nos ater a eles. Em vez disso, vamos nos mover diretamente aos Grandes Sinais.

Os Grandes Sinais, obviamente, se referem a eventos mais importantes que os Pequenos Sinais, sendo relativos a questões como a vinda do Anticristo Muçulmano (Ad-Dajjal), o retorno do Jesus Muçulmano (Isa Al-Maseeh) e, o mais importante, a vinda do Salvador/Messias Muçulmano (Al-Mahdi).

A Bíblia diz claramente que o maior plano do Diabo para os Últimos Dias é levantar dois homens como seus principais instrumentos para enganar os habitantes da Terra: O Anticristo e o Falso Profeta. Como você acha que Satanás planejou incluir os 1,3 bilhões de muçulmanos do mundo em sua grande mentira no Fim dos Tempos?

Como veremos nas próximas partes do estudo (Quem é o Anticristo? e Quem é o Falso Profeta?), o Islã é claramente o veículo principal que será usado por Satanás para cumprir as profecias Bíblicas sobre o futuro sistema político/religioso/militar do Anticristo que sobrevirá o mundo antes da Segunda Vinda de Jesus Cristo.


Notas:

1 David Pawson, The Challenge of Islam to Christians [O Desafio do Islã aos Cristãos] (London, Hodder and Stoughton, 2003), p. 11.

2 Idem.

3 Bruce a. Mcdowell e Anees Zaka, Muslims and Christians at The Table [Muçulmanos e Cristãos à Mesa] (Phillipsburg, P&R Publishing, 1999), p. 6.

4 Idem.

5 New York Times, 22 de Outubro de 2001, Jodi Wilgoren, Islam Attracts Converts by the Thousands, Drawn Before and After Attacks [Islã Atrai Convertidos aos Milhares, Desenhado Antes e Depois dos Ataques]

6 Mcdowell, Zaka, p. 6.

7 Al Jazeera, 12 de Dezembro de 2000, Christianization in Africa [Cristianização na África] http://www.aljazeera.net/programs/shareea/arcticles/2000/12/12-12-6.htm para tradução em Inglês veja http://www.islamreview.com/arcticles/fastdemiseprint.htm

8 http://isaalmasih.net/

Referência: “Anticristo: O Messias esperado pelo Islã”, Joel Richardson, capítulos 1 e 3.