O Servo Sofredor de Isaías 53

Bíblia

Talvez a maior de todas as profecias messiânicas no Tanakh (as Escrituras Hebraicas, ou seja, o Antigo Testamento) sobre o advento do Messias judeu seja encontrada no capítulo 53 do livro do profeta Isaías.

Desde a antiguidade, os rabinos, mesmo antes de Cristo, consideravam Isaías 53 como a profecia do messias que viria (DRIVER & NEUBAUER, the fifth-third chapter of isaiah according to jewish interpreters. Oxford: Parker, 1877.).

Infelizmente, os rabinos modernos do Judaísmo acreditam que o “Servo Sofredor” de Isaías 53 talvez se refira a Israel, ou ao próprio Isaías, ou mesmo a Moisés ou outro dos profetas judeus. Mas Isaías 53 fala do Messias, é claro.

Vejamos:

Isaías 53:4: “Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças, contudo nós o consideramos castigado por Deus, por ele atingido e afligido.”

Mateus afira que isso se cumpriu em Jesus: “Ao anoitecer foram trazidos a ele muitos endemoninhados, e ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou todos os doentes. E assim se cumpriu o que fora dito pelo profeta Isaías: ‘Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças’.” (Mateus 8:16-17)


Isaías 53:5: “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”

“Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades…”: Israel não foi ferido por causa da transgressão de outro senão dele mesmo.

“… O castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”: Se Israel fosse ferido por causa de alguém, quem seria esse alguém e qual a paz que trouxe sobre esse alguém?

Mas como podem estas palavras, que falam tão claramente de uma única personagem, descrever a nação de Israel? Pode ser Israel retratado como um sofredor inocente? (53:4,5,8,9,12). Isaías descreve-a como “nação pecadora, povo carregado de iniquidade, descendência de malfeitores, filhos corruptores” (1:4) e como um povo sobre quem Deus derramou “o furor da sua ira” por causa dos seus pecados (42:24-25).

Pedro diz que Isaías 53:5 se cumpriu em Jesus: “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.” (1 Pedro 2:24).


Isaías 53:6: “Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós.”

Pedro afirma que isso se cumpriu em Jesus: “Porque éreis como ovelhas desgarradas…” (1 Pedro 2:25).


Isaías 53:7: “Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.”

Mateus nos diz que Jesus não respondeu nada quando questionado, comportando-se como “ovelha muda perante os seus tosquiadores”: “[Jesus] sendo acusado pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos, nada respondeu. Disse-lhe então Pilatos: ‘Não ouves quanto testificam contra ti?’ E nem uma palavra lhe respondeu, de sorte que o presidente estava muito maravilhado.” (Mateus 27:12-14)

Pedro complementa, dizendo sobre Jesus: “O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se Àquele que julga justamente” (1 Pedro 2:23).


Isaías 53:8: “Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido.”

“… E quem contará o tempo de sua vida? …”: Israel não foi destruído e nem o povo de Israel foi morto.

“… Pela transgressão do meu povo ele foi atingido.” Aí está uma das partes mais importantes. Mipesha ami (Israel) nega lamo – pela transgressão do meu povo (Israel) ele foi atingido.

Quem é o “meu povo” no texto? O “meu povo” é Israel.

Se por causa do pecado do “meu povo Israel” ele foi atingido, como pode então “ele” ser “Israel”? Se “ele” foi atingido por causa de “Israel”, então “ele” não é “Israel”.

Esse servo não é Israel e nem se trata de Isaías, pois nem Isaías morreu por causa de Israel, a sua morte não trouxe paz alguma e nem alguém foi sarado por sua morte.


Isaías 53:9: “E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca.”

O texto é explicitamente compreensível. Está claro de que se trata de uma pessoa singular e não de um povo.

A profecia fala de uma pessoa que certamente saberíamos onde e como seria sepultada. O texto especifica que a pessoa a qual a profecia se refere seria sepultada com ímpios e com um rico na sua morte. Então aí já está descartada a possibilidade de o texto se referir ao povo de Israel, pois é evidente que se trata de uma única pessoa.

Quanto a Isaías, não é conhecido onde e nem como foi sepultado. Então quem poderia ser essa pessoa cujo sepultamento e o modo do sepultamento é notório a ponto de todos saberem?

Bem, deixemos que Mateus nos responda:

“E pusera a sua sepultura com os ímpios…” – Isaías 53:9: Mateus nos diz que Jesus foi crucificado entre dois ladrões, dois ímpios: “E foram crucificados com ele dois salteadores, um à direita, e outro à esquerda.” (Mateus 27:38)

“… e com o rico na sua morte…” – Isaías 53:9: Mateus nos diz que Jesus foi enterrado na sepultura de um homem rico, chamado José de Arimatéia, que também era seu discípulo: “E, vinda já a tarde, chegou um homem rico, de Arimatéia, por nome José, que também era discípulo de Jesus. Este foi ter com Pilatos, e pediu-lhe o corpo de Jesus. Então Pilatos mandou que o corpo lhe fosse dado. E José, tomando o corpo, envolveu-o num fino e limpo lençol, e o pôs no seu sepulcro novo, que havia aberto em rocha, e, rodando uma grande pedra para a porta do sepulcro, retirou-se.” (Mateus 27:57-60)

“… ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca.”- Isaías 53:9: A Bíblia explicitamente afirma que Jesus nunca pecou: 2 Coríntios 5:21; 1 João 3:5; 1 Pedro 1:19;1 Pedro 2:22; Hebreus 4:15; Hebreus 7:26; Hebreus 9:14; etc. E Pedro complementa: “O qual não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano.” (1 Pedro 2:22). Em contraste, em momento algum a Bíblia nos diz que Isaías viveu uma vida completamente santa. Com relação a nação de Israel, ela definitivamente não era santa, embora devesse ser (Levítico 19:2). Israel pecou muito (Deuteronômio 9:7; Salmo 78; etc.).


Outro texto que devemos levar em conta encontra-se em Atos dos Apóstolos 8:26-35:

“E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: ‘Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta.’ E levantou-se, e foi; e eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusalém para adoração, regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías. E disse o Espírito a Filipe: ‘Chega-te, e ajunta-te a esse carro.’ E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: ‘Entendes tu o que lês?’ E ele disse: ‘Como poderei entender, se alguém não me ensinar?’ E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. E o lugar da Escritura que lia era este: ‘Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, Assim não abriu a sua boca. Na sua humilhação foi tirado o seu julgamento; E quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra.‘ [Note que o eunuco estava lendo Isaías 53:7-8]. E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: ‘Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo, ou de algum outro?’ Então Filipe, abrindo a sua boca, e começando nesta Escritura, lhe anunciou a Jesus.”

Por fim, o próprio Messias Jesus atribuiu essa profecia de Isaías 53 (especificamente o versículo 12) a Si mesmo quando disse: “Está escrito: ‘E ele foi contado com os transgressores’; e eu lhes digo que isto precisa cumprir-se em mim. Sim, o que está escrito a meu respeito está para se cumprir’.” (Luca 22:37).

Ou seja, de fato, a profecia de Isaías 53 se refere, sim, a Jesus Cristo, o “Servo Sofredor” de Deus, e não a Israel ou a Isaías ou a qualquer outro profeta, como nos confirmam Mateus, Pedro, Filipe e o próprio Jesus.