O deus do Alcorão é o mesmo Deus da Bíblia?

capturar

Para saber se o deus do Alcorão é o mesmo Deus da Bíblia, vamos comparar alguns ensinamentos de ambos os livros:


O Alcorão diz que “Allah é o melhor dos enganadores” (Alcorão 3:54; 8:30). A palavra árabe usada aqui para o planejar (ou tramar) é makara, que significa literalmente ‘enganar’. Se Alá é extremamente enganador para com os incrédulos, então há pouca base para negar que os muçulmanos estão autorizados a fazerem o mesmo. Outras referências sobre os esquemas de conspiração e enganação de Allah são: Alcorão 27:50; 13:42; 86:15-16;

A Bíblia diz que “Deus não é homem para que minta” (Números 23:19), “Deus não mente” (Tito 1:2) e “é impossível que Deus minta” (Hebreus 6:18); Jesus disse que o diabo é “pai da mentira” (João 8:44); todos aqueles que mentem são filhos do diabo;

Muçulmanos devem mentir para fortalecer o Islã (Alcorão 3:28);

A Bíblia diz: “Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao seu próximo…” (Efésios 4:25);

Maomé foi o profeta da guerra (Alcorão 2:191; 5:33; 9:5; etc.);

Cristo é o príncipe da paz (Isaías 9:6-7);

Os muçulmanos matam por sua fé (Alcorão 2:191; 4:56; 5:33, 36; 9:5, 73; 45:8; 48:28; etc.);

Os cristãos morrem por sua fé (Atos 7:54-60; 2 Timóteo 4:6-8; etc.);

Maomé promoveu perseguição contra os “infiéis” (Alcorão 2:191; 5:33; 9:5; etc.);

Cristo sempre perdoou (Mateus 9:2; Lucas 7:48, 23:34; Marcos 2:5; João 8:11; 1 Timóteo 1:12-15);

Maomé era assassino (Alcorão 8:67);

Jesus foi o doador da vida (João 10:27-28, 11:25-26; Atos 3:15);

Maomé e seus companheiros guerreiros assassinaram milhares (Alcorão, Suna e Hadiths; leia isso);

Cristo foi assassinado e salva a todos que creem no Seu Nome (João 3:16-18; 1 Timóteo 1:15);

Maomé pregou a conversão forçada (Alcorão 8:39);

Jesus Cristo pregava a conversão voluntária (Atos 3:19);

Maomé pregou a violência (Alcorão 2:191; 5:33; 9:5, 123; etc.);

Jesus Cristo pregou o amor (Mateus 5:44; João 15:12), o perdão (Mateus 18:21-22), a fé (João 6:29, 35) e a salvação (João 3:16);

Maomé era um guerreiro (Alcorão 8:39, 60, 65, 67; 9:123);

Cristo, o libertador (João 3:16; Romanos 11:26, Colossenses 1:13-14; 1 Tessalonicenses 1:10);

Maomé conquistou seus inimigos pela espada (Alcorão 2:191; 5:33; 9:5);

Cristo venceu seus inimigos com a palavra de Deus (Atos 2:36-38; Hebreus 4:12);

Maomé disse: “Se converta ou morra” (Alcorão 8:39);

Cristo disse: “Creia e viva!” (João 6:47, 11:25-26);

Maomé foi rápido para derramar sangue (Alcorão 8:67);

Cristo derramou o Seu sangue para a salvação de todos (Mateus 26:27-28; 2 Coríntios 5:14-15; Efésios 1:7; Colossenses 1:13-14; 1 Timóteo 2:4-6; Hebreus 2:9; 1 João 2:2);

Maomé pregava “morte aos infiéis!” (Alcorão 2:191; 5:33; 9:5; 47:4; etc.);

Cristo orou: “Pai, perdoa-lhes, pois eles não sabem o que fazem” (Lucas 23:34);

Maomé declarou uma guerra Santa (Jihad) contra os infiéis (Alcorão 2:191; 5:33; 9:5, 123; etc.);

Cristo alcançou uma vitória santa na cruz do Calvário (Colossenses 2:13-15);

Terroristas modernos se inspiram em Maomé para realizar suas atrocidades desprezíveis em nome do seu Deus (Alcorão 8:60, 65; 9:123);

Cristãos derivam de Jesus sua inspiração, que disse: “Bem-aventurados os pacificadores” (Mateus 5:9);

Muçulmanos comemoram ataques terroristas com aplausos nas ruas;

Os cristãos ficam profundamente entristecidos pelas atrocidades realizadas no passado por aqueles que eram “cristãos” apenas no nome (cruzadas, inquisição espanhola, etc.);

Muitos muçulmanos são pacíficos e amantes da paz, porque não seguem estritamente os ensinamentos do seu fundador;

Muitos cristãos são pacíficos e amantes da paz, porque seguem estritamente os ensinamentos de seu fundador (Mateus 5:9, 44-48; Romanos 12:17-21);

Allah não gosta de música (Alcorão 31:6; 17:64; 53:59-61);

Jesus e seus discípulos cantaram hinos (Mateus 21:16, 26:30; Atos 16:25), e o apóstolo Paulo ordenou os cristãos a cantarem (Efésios 5:19, Colossenses 3:16);

Os muçulmanos aguardam a eternidade no paraíso, onde haverá virgens que são utilizadas por toda a eternidade para satisfazer os desejos sexuais dos homens (Alcorão 33:50; 56:17, 35-36; etc.);

A Bíblia ensina os cristãos ansiosos para estar com Jesus Cristo longe do pecado, buscando a santidade, e se sentem muito felizes com isso (2 Coríntios 5:8);

Maomé disse que o testemunho de uma mulher valia a metade do testemunho de um homem (Alcorão 2:282), e que a mulher só vai para o céu para satisfaz o marido sexualmente (Alcorão 56:17, 35-36; etc.);

A Bíblia ensina que o marido deve amar sua mulher e estar disposto a morrer por ela (Efésios 5:25), e não deve tratá-la com amargura (Colossenses 3:19), mas com honra, porque ela é feita de material mais delicado e igualmente herdeira do dom da graça vida (1 Pedro 3:7); “Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus” (Gálatas 3:28);

Maomé chamou os seus servos para lutar e conquistar o mundo para Allah pela espada (Alcorão 4:74, 76; 9:5, 14, 29, 88, 123; 47:4; 61:4, 9);

Jesus disse: “O meu reino não é deste mundo” (João 18:36);

Maomé ordenou a morte de judeus (ver a. Guillaume, a vida de Muhammad, Oxford University Press [1975], p. 369);

Cristo ordenou que o Evangelho fosse pregado primeiro para os judeus (Mateus 10:6; Romanos 1:16);

O Alcorão diz: “Lutar pela causa de Allah” (Alcorão 4:74, 76; 9:5, 14, 29, 88, 123; 47:4; 61:4, 9);

A Bíblia diz: “Nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais” (Efésios 6:12) e “as armas da nossa milícia não são carnais” (2 Coríntios 10:4);

O Alcorão diz: “Matai os idólatras onde quer que os encontreis, e capturai-os e cercai-os e usai de emboscadas contra eles” (Alcorão 9:5);

Cristo disse: “Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem” (Mateus 5:44); “Amem-se uns aos outros como eu os amei” (João 15:12);

O Alcorão diz: “Eu vou inspirar terror nos corações dos incrédulos” (Alcorão 8:12); “Allah não gosta dos descrentes.” (Alcorão 3:32)

A Bíblia diz que Deus ama os incrédulos e deseja que eles se convertam e vivam (Ezequiel 18:23; 2 Pedro 3:9);

O Alcorão é um manual terrorista que ensina luta, conflito, terror, massacre e genocídio contra aqueles que não aceitam o Islã (Alcorão 4:74, 76; 9:5, 14, 29, 88, 123; 47:4; 61:4, 9);

A Bíblia é um manual missionário para espalhar o Evangelho da paz para o mundo (Mateus 28:19-20; Marcos 16:15-16);

A missão de Maomé era conquistar o mundo para Allah (Alcorão 4:74, 76; 9:5, 14, 29, 88, 123; 47:4; 61:4, 9);

A missão de Cristo é salvar almas através do Seu sacrifício expiatório e substitutivo na Cruz (2 Coríntios 5:21; 1 Pedro 3:18);

O Alcorão diz que Jesus não é o Filho de Deus (Alcorão 4:171; 23:91) e nega a Sua divindade ao negar a Trindade (Surata 5:17, 72-73);

Cristo disse que Ele é Deus (João 5:17-18, 8:24 e 58, 10: 30) e Seus apóstolos criam nisso (João 1:1-2, 14, 20:27-18; 1 João 5:20-21; Romanos 9:5; Filipenses 2:5-8; Colossenses 2:9; 1 Timóteo 3:16; Tito 2:13; Hebreus 1:3; 2 Pedro 1:1; etc.);

Maomé era um pecador e o próprio Alcorão afirma isso, apesar de os muçulmanos dizerem que ele era um exemplo para todos, uma pessoa perfeita (Alcorão 33:37; 40:55; 47:19; 48:2);

Jesus nunca pecou (2 Coríntios 5:21; 1 João 3:5; 1 Pedro 1:19;1 Pedro 2:22; Hebreus 4:15; Hebreus 7:26; Hebreus 9:14; etc.);

Fontes autoritativas, tais como Fazlur Rahman, Ph.D., professor do pensamento Islâmico da Universidade de Chicago, e Edwin M. Yamauchi, Ph.D., do Instituto de Pesquisas Religiosas, nos dizem que que o Alcorão não afirma que Maomé efetuou um milagre sequer (Antranig Chalabian, Armenia After the Coming of Islam (Southfield, Michigan: Antranig Chalabian,  1999),  p. 32.);

Jesus realizou muitos milagres (Mateus 8:1-4, 8:5-13, 8: 23-27, 8:28-34, 9:1-8, 9:18-26, 9:27-34, 11:4-6; Marcos 5:21-43, 6:45-56, 7:24-30; Lucas 5:12-15, 6:6-10, 7:11-17, 8:26-39;  João 2:7-9, 4:46-54, 11:1-45; etc.);

O Islã é geocêntrico, isto é, todo o universo está centrado na kaaba, na grande mesquita em Meca, na Arábia, e todos os muçulmanos oram nesse sentido;

Jesus Cristo é o centro de toda adoração e comunhão cristã, pois Ele está em toda parte e atende a todos em qualquer lugar da terra (Mateus 18:20, João 4:22-23);

O túmulo de Maomé: Ocupado!

O túmulo de Cristo: Vazio! (Lucas 24:5-6)

Se você não se tornar islâmico, você pode morrer (Alcorão 2:191; 4:56; 5:33, 36; 9:5, 73; 45:8; 48:28; etc.);

A salvação pela fé é oferecida por Jesus Cristo para todos, e todos têm permissão para rejeitá-la (João 3:16-21);

Aqueles que deixam o Islã são mortos na maioria dos países islâmicos (cf. Alcorão 9:74);

Aqueles que deixam o Cristianismo não são assassinados por isso;

Um muçulmano segue a Allah e ao Islã por amor? Não! Ele não se atreve a deixar o Islã, e ele é leal puramente por medo;

O verdadeiro cristão é fiel a Jesus Cristo puramente por amor: “No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor. Nós amamos porque ele nos amou primeiro” (João 4:18-19);


Conclusão

Poderiam ser apontadas muitas outras diferenças, mas essas são o suficiente para evidenciar que o  deus do Islamismo não é o mesmo Deus do Cristianismo.

Jesus Cristo é o Filho Único de Deus e dá a vida eterna àqueles que creem nEle para a salvação (João 3:16). Amém.